Desde os seus primórdios, o PPGDSTU tem buscado integrar-se no contexto social da região amazônica, por meio de contribuições em pesquisa e extensão. O Programa conta com projetos e ações que procuram estabelecer um diálogo com a população local, tornando possível não apenas a apropriação dos resultados práticos obtidos, mas também a inserção desta nos processos de produção de conhecimento que fazem parte de cada atividade promovida pelo Programa.

 

Redução de impactos ambientais na Amazônia

Pesquisa desenvolvida por um discente do Programa consistiu na produção de um Matapi sustentável. O Matapi é uma armadilha cilíndrica feita com talas de miriti que é utilizada para a captura de camarão, sendo bastante comum na região amazônica. A proposta apresentada pelo trabalho do discente é a montagem do cilindro com talas mais separadas, possibilitando o aumento do tamanho médio do camarão capturado por meio da saída dos camarões juvenis. Isso permite a redução do impacto sobre o recrutamento. O objetivo deste trabalho é o apoio a uma legislação sobre a pesca do camarão no estuário amazônico. Possui co-orientação do biólogo estatístico, James Lee.

 

Preservação do patrimônio cultural

Em Belém, o docente Silvio Figueiredo coordena o projeto Mestres da Cultura que envolve a comunidade da vila de Icoaraci, no intuito de preservar o patrimônio cultural imaterial do local. O projeto é executado com o apoio de grupos de cultura popular e de seus líderes, contando ainda com a participação de bolsistas do Programa Institucional de Iniciação Científica (PIBIC), do CNPq, na modalidade Júnior – voltado para jovens que estejam cursando o ensino médio. A iniciativa já foi agraciada com o Prêmio Rodrigo Melo Franco Andrade, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), na categoria Salvaguarda de Bens de Natureza Imaterial.

 

Interação com a educação básica

Essa é uma área nova para o PPGDSTU, pois somente agora o NAEA está discutindo com seus professores a possibilidade de criação de um curso de graduação, que impactará efetivamente a educação básica, inclusive na perspectiva interdisciplinar. Algumas ações de projetos e pesquisa e de extensão de professores e alunos do PPGDSTU tem interfaces com a Educação Básica. O projeto MAÇAI, coordenado pela profa. Ligia Simonian, atua em escolas de ensino básico (Escola Tenente Rego Barros), a partir da criação do clube Açaí de Ciências. O projeto Mestres da Cultura (A memória na fala dos mestres da cultura de Icoaraci,PA), coordenado pelo prof. Silvio Figueiredo, tem incorporado bolsistas PIBIC júnior e realiza oficinas de sensibilização nas escolas públicas da vila de Icoaraci. As perspectivas de difusão científica e de relações com a comunidade produziram cartilhas, vídeos e outros materiais que são disseminados em escolas públicas da capital e do interior do estado. Essas propostas foram intensificadas em 2015 com a realização do “Seminário Internacional América Latina, políticas e conflitos contemporâneos”, com ação para professores da rede pública e alunos.